Diário de uma surfista: Jasmim Avelino

12/04/2021



  • Seja bem-vinda ao diário de uma surfista da Jasmim Avelino. Pensamos nesse modelo de entrevista como uma forma diferente de você conhecer a história de surfistas mulheres do Brasil (e porque não do mundo?) como mais uma forma de inspirar meninas a surfar. Afinal, inspiração é conexão, e eu tenho certeza que você vai se identificar com alguma coisa desse post.

    Espero que goste e aproveite! Esse diário foi escrito pela Aline:

    "Comecei falando um pouquinho de mim; não de uma maneira egocêntrica, mas porque eu queria era que a Jasmim tivesse o conforto de falar dela com alguém que se abriu também. Diário é um espaço pessoal, um espaço de intimidade, uma pontinha da mente do outro. E, para que a Jasmim abrisse uma frestinha desse lugar dela, eu quis fazer o mesmo - pelo menos em parte."


    _carioca, bióloga e bicampeã brasileira de longboard


    Essas são as palavras que definem Jasmim Avelino no instagram. Aprofundando um pouco, a jovem nascida e criada no Rio de Janeiro, acha difícil falar de si mesma, mas construiu uma boa definição: mulher incentivadora do surf e bióloga de alma.

    A biologia foi sua escolha de graduação - sonho compartilhado com a mãe - mas, ao contrário do que você possa pensar, não era a biologia marinha que enchia seus olhos, e sim a ecologia, a mata atlântica, o cheiro de árvore. 
    .
  • Surfista: Jasmim Avelino | Foto: @anacatarinaphoto


    "Brinco que sou uma surfista do contra porque se eu tivesse que escolher entre praia e montanha, eu escolheria montanha - mas encomendaria uma piscina de ondas para sobreviver", diz ela. 


    Jasmim foi criada por pais que são, nas palavras dela, verdadeiros bichos do mato: "Nas férias nós viajamos para a serra, para acampar no meio do mato, curtir o clima de montanha", e é daí que vem a sensação de refúgio dela: uma menina que tinha a conexão com o mar na rotina, encontrava a renovação na água doce da cachoeira. 


    _sempre foi o long


    Com pai e irmã surfando, Jasmim se pegou várias vezes observando da areia; às vezes até demais: "Confesso que no começo, quando eu era menor e eles me levavam para a praia todo fim de semana, eu não gostava tanto. Pelo menos não sempre, ficava cansada de fazer sempre a mesma coisa".

    Na época, Jasmim dividia o coração com o teatro, arte que precisou abandonar quando se viu chegando aos ensaios com os pés cheios de areia e a pele salgada: o chamado para o surf estava forte demais. 

    Aos nove anos de idade, Jasmim Avelino ganhou uma prancha de bodyboard de presente do pai: "Eu sempre quis ir pro longboard, mas era muito magrinha e pequena, então meu pai quis que eu fizesse uma transição"

    Aos 12 anos o presente veio em formato de pranchão; no ano seguinte ela começou a competir e nunca mais parou: "Tive épocas de ouro, por volta dos 15 anos estava com patrocínio e viajando o Brasil inteiro no circuito de surf". 

    A hora de ir para a faculdade chegou, o estágio e emprego em um escritório de advocacia ocupavam bastante o tempo de Jasmim e, neste momento de caos externo, ela encontrava no surf a paz interior: "Foi com isso tudo acontecendo que eu conquistei o título de longboard brasileiro de 2017; foi um resultado que veio de enxergar o surf como diversão".
    .
  • Jasmim Avelino no Jeri Long Festival

    A graduação em biologia foi o fechamento de um ciclo que ainda pode se abrir - Jasmim disse ter interesse em mestrado e doutorado quando o auge do surf passar - e o início da fase em que a jovem carioca passou a viver do surf como professora; incentivadora de mulheres na água.  


    _mulheres na água


    "Sempre sofri muito nos campeonatos - eu e todas as mulheres. Éramos desvalorizadas; tínhamos premiação inferior; as condições de mar para nós eram as piores; as baterias sempre em horário de almoço. Menosprezadas. 

    Desde que comecei a surfar já vivia o machismo na água. Um coroa já me mandou ir-para-aquele-lugar porque eu rabeei ele; já tentaram expulsar eu e minha irmã da água; sem contar a objetificação, olhando a bunda, reparando o biquíni. 


    Além disso, havia menos mulheres na água e o long era visto como prancha de transição para pranchinha, era gente que estava começando ou haole. Sofríamos preconceito automático. Não tínhamos marcas voltadas para o nosso estilo de surf, roupas feitas para o nosso conforto. 


    De dez anos para cá deu para ver a evolução da presença das mulheres no mar; mas a caminhada é longa. 

    Eu sempre falo com as minhas alunas que a gente precisa saber se posicionar, precisa enxergar nosso direito de estar ali, naquele ambiente, saber se portar e poder abrir a boca se algo acontecer". 


    _com vocês, as Bailarinas do Mar

    .
  • Foto do Bailarinas do Mar em Pipa

    Dar aulas de surf fez com que Jasmim visse mais de pertinho a situação das mulheres que querem aprender a surfar e se manter no longboard. "Eu via meninas que se decepcionavam com o surf, chegavam a largar porque diminuíam muito as pranchas - algo que é incentivado nas escolinhas -, não se adaptavam e perdiam a diversão da atividade. O Bailarinas deu esse apoio; deu força para muitas meninas que tinham interesse, mas não tinham ninguém para mostrar para elas o quando o long é envolvente". 

    O projeto, que durante a primeira trip ainda não tinha nome, nasceu do desejo de Jasmim Avelino de levar mulheres para surfar, incentivar mulheres a surfar de long e sentirem essa paixão da maneira mais genuína possível. "O long expressa quem eu sou, me acalma, me conecta, é o que reflete minha personalidade. É preciso ter muito controle do que está fazendo e ao mesmo tempo deixar fluir". E ela deixa (já viu essa mulher surfando?)

    Em busca de um nome que as próprias integrantes tomassem para si, Jasmim refletiu sobre o que as pessoas falavam dela quando a viam na água:


    "Falavam que eu parecia uma bailarina; e isso tem tudo a ver com o surf feminino de longboard".

    .
  • Bailarinas do Mar | Foto: @victordutraphotos

    Hoje o grupo já tem tomado grandes dimensões, tanto como uma comunidade quanto como realização pessoal da carioca: "Hoje eu sou muito mais realizada tendo o Bailarinas do que sendo bi campeã brasileira porque eu vejo o quanto essas meninas compartilham a verdadeira essência do surf, com alma, com prazer das realizações. Isso me deixa muito feliz". 


    _um pouco da rotina e do que Jasmim Avelino planeja para o futuro


     "Meu cotidiano - sem viajar - é dar aulas todos os dias, das 6h às 11h. Quando tenho forças, eu surfo um pouco depois disso, ou quando alguém falta. À tarde eu me organizo, faço planilha, planejo ações para o Bailarinas, possíveis viagens e novos projetos. A pandemia fez todo mundo repensar a rotina - e muito mais - então planejar uma viagem é algo bem mais delicado."

    Além dos trabalhos, a surfista faz ginástica natural todos os dias - online com um coach - e diz que se falta um dia já sente o corpo pedindo: "É uma prática que envolve exercícios animais, da bio ginástica, mistura diversas modalidades; é um exercício completo que me ajuda a fortalecer dentro da água".
    .
  • Surfista: Jasmim Avelino | Foto: @fellipeditadi

    Sobre o futuro: considerando um cenário pós-pandemia, o que ela quer é focar no Bailarinas, em levar as meninas para lugares diferentes, para explorarem ondas que são favoráveis ao long. 

    "Hoje eu não me vejo como surfista profissional; acho que o surf é muito além do que se definir como profissional ou não. Eu incentivo mulheres a viverem seus sonhos e fazerem o que quiserem. Digo a elas que são capazes independentes de qualquer circunstância. 


    Sinto que sou realizadora de sonhos; me vejo muito mais como mulher que exerce a profissão de ensinar o surf do que quem vive do surf profissionalmente". 


    Se você ainda não conhece o Bailarinas do Mar, sugiro fortemente que dê uma pesquisada no instagram e prepare-se para ficar hipnotizada pela graciosidade destas dançarinas na água - e provavelmente para se pegar querendo se aventurar no long :)

    Beijos e boas ondas,
    Aline


     
    Leia também: Minha vida antes e depois do surf

Compartilhe

Comentários

Este site utiliza tecnologias como cookies para melhorar sua experiência de acordo com nossa política de privacidade. Ao permanecer navegando, você concorda com estas condições.

Estamos ocupados atualizando nossa loja para você e voltaremos logo.

Whatsapp